google-site-verification=t0RqaUFOILcT8EBxg1NEFiP7WVYlBg00uilQ2klT440
 

Posts do fórum

Diocese de Rubiataba
01 de fev. de 2018
In Igreja
"Já existe uma formação maior de nosso clero na liturgia. A participação dos leigos nos ministérios múltiplos cresce. Cada fiel, portanto, sabendo o sentido e a importância da liturgia, deve participar a modo que lhe cabe e compete das ações sagradas, de forma que não fique apático, neutro ou apenas um mero ouvinte distraído". Jackson Erpen - Cidade do Vaticano Na reforma litúrgica trazida pelo Concilio Vaticano II, percebemos 10 aspectos de renovação, a partir da Constituição Sacrossanctum Concilium. “A Constituição Sacrosanctum Concilium propõe a participação ativa dos fiéis, primeiramente por meio uma verdadeira e séria formação litúrgica. Mas isso não acontecerá em nossos ambientes celebrativos se não houver uma formação do clero para conhecer o espírito e a força da liturgia. Diz assim o documento conciliar: “Mas, não havendo esperança alguma de que isto aconteça  (a participação ativa dos fiéis), se antes os pastores de almas não se imbuírem primeiramente do espírito e da força da liturgia e não se tornarem mestres nela, é absolutamente necessário que se dê o primeiro lugar à formação litúrgica do clero”. Diante disso, o sagrado Concílio decidiu estabelecer a formação litúrgica em diversos níveis que elencamos aqui (SC, n. 15-20): 1.  Formação dos professores de liturgia nos seminários, nas casas religiosas de estudos e nas faculdades teológicas; 2.  Instituir a disciplina de liturgia como cadeira curricular - Ensino da liturgia nos seminários e casas religiosas de estudos, por uma das disciplinas necessárias e mais importantes, nas faculdades de teologia como disciplina principal, a sua conexão da liturgia com a unidade da formação sacerdotal. 3.  Formação litúrgica dos candidatos ao sacerdócio; 4.  Ajudar os sacerdotes que já atuam no ministério para que, sempre mais plenamente, penetrem o sentido do que realizam nas sagradas funções, vivam a vida litúrgica, e façam dela participantes os fiéis a eles confiados. 5.  Formação litúrgica dos fiéis e promoção também da participação ativa dos fiéis, tanto interna como externa, segundo a sua idade, condição, gênero de vida e grau de cultura religiosa. 6.  Ainda um novo aspecto atual - a utilização dos Meios audiovisuais e liturgia – ou seja – quanto às transmissões por rádio e televisão das funções sagradas, particularmente em se tratando da santa missa, façam-se com discrição e dignidade, sob a direção e responsabilidade de pessoa competente, escolhida para tal ofício pelos bispos. Acreditamos que decorridos já 50 anos dessas decisões e bom propósito de reforma litúrgica, muita coisa bonita já acontece em nossas dioceses, casas de formação religiosa e sacerdotal e em nossas comunidades paroquiais. Já existe uma formação maior de nosso clero na liturgia. A participação dos leigos nos ministérios múltiplos cresce. Cada fiel, portanto, sabendo o sentido e a importância da liturgia, deve participar a modo que lhe cabe e compete das ações sagradas, de forma que não fique apático, neutro ou apenas um mero ouvinte distraído, bem como não faça mais do que lhe cabe, nem menos.  Caminhemos como comunidades celebrativas. Intensifiquemos a preparação de nossas celebrações. Temos um longo caminho a percorrer (cf. 1Rs19,7)".
0
0
5
Diocese de Rubiataba
02 de dez. de 2017
In Palavra de Deus
Cidade do Vaticano (RV) - A graça de Deus nos oferece um novo ano litúrgico e, com ele, nova oportunidade para colocarmos nossa vida de acordo com a mensagem cristã haurida da Sagrada Escritura. A primeira leitura nos relata uma situação muito difícil na vida do Povo de Israel: ele vive um momento de exílio. Suas cidades foram destruídas, sua população assassinada, inclusive suas crianças, e os que restaram foram feitos escravos. Nessa situação de extrema dor e total carência, os que sobraram dirigem seus olhares para o Senhor, chamando-o de Pai, de Redentor, para que se manifeste e mantenha suas promessas de proteção e amparo. Deus não se manifesta e aparentemente não mantém as promessas feitas anteriormente. Essa ocasião propicia ao povo um exame de consciência que os leva à conclusão de que foram eles, com suas más ações, que romperam a aliança. Por outro lado, esse exame mostrou a todos a própria incapacidade de serem fiéis e até a fragilidade de seus atos religiosos. Nesse momento o povo chegou ao grau máximo de lucidez e percebeu que somente Deus poderia salvá-lo, redimi-lo. Nesse exato momento, de profunda humildade, ele foi salvo. O Evangelho nos fala em vigiar e vigiar sempre. Quando alguém vigia é porque deseja não ser surpreendido. Quando a enfermeira fica de plantão vigiando um doente em estado grave, ela está atenta para impedir que o quadro da saúde piore; quando um policial permanece de plantão ao lado de um banco, seu intuito é evitar a ação de um ladrão.   E para Jesus, o que significa para ele vigiar? Para Jesus significa um constante estado de alerta à espera da chegada do mundo novo, ou melhor, do homem novo, dele mesmo, Jesus Cristo, o Messias, o Redentor.Essa vigília significa não dormir no pecado, mas estar acordado pela fé, pela esperança, praticando aquilo que é justiça, que é amor. Somente aqueles que estão antenados na chegada do Redentor é que irão conhecer o momento e poderão abrir seus corações ao Salvador, como aconteceu em sua primeira vinda. As pessoas estavam tão voltadas para si mesmas, que não tiveram sensibilidade para perceber a necessidade de uma grávida prestes a dar à luz, e simplesmente se fecharam no seu conforto, mesmo miserável; também aquelas pessoas que não foram lúcidas para distinguir entre um benfeitor que curava, alimentava, perdoava, reconciliava e um bandido, ladrão e assassino, pediram a libertação deste e a crucifixão do outro. Estejamos acordados, lúcidos para podermos acolher o nosso Salvador. Como os israelitas da primeira leitura, sejamos humildes e abertos ao Redentor. Reconheçamos nossos limites e digamos “Vem Senhor Jesus, Vem”! Com a frase que encerra o trecho da carta de Paulo da liturgia de hoje, encerramos nossa reflexão: ”Deus é fiel; por ele fostes chamados à comunhão com seu Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor”». (Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o I Domingo de Advento – B)
"Vigiar, sempre!" - I Domingo do Advento content media
0
0
7
Diocese de Rubiataba
12 de mai. de 2017
In Família
A mulher tem um papel fundamental na família. A Bíblia diz que se ela for sábia, edificará a sua casa, mas a tola destruirá com suas próprias mãos. (Pr 14,1). Uma mulher que se levanta como intercessora é capaz de manter tudo de pé ao redor dela. Acredite! É como uma casa projetada no meio daquelas colunas: existem estruturas que a mantém de pé, ninguém está vendo, mas elas estão ali. Assim funcionam com as nossas orações. Muitas famílias estão se acabando, não buscam a oração, a intimidade com Deus. É preciso começar a partir de nós mulheres: devemos aprender a resgatar nossas famílias pela intercessão. Que as pessoas olhem para nossa vida e vejam Cristo. Em meio a tantas correrias, tantos afazeres... O tempo passou, a sociedade mudou, hoje a mulher teve seu papel redefinido. Por quem? Por uma sociedade de consumo que dita regras de beleza, padrões de comportamentos que vão de mal a pior cada dia que passa. A mulher corre de lá para cá, trabalhando fora, em casa, cuidando dos filhos do esposo... algumas mulheres, em meio a tanta cobrança e situações adversas simplesmente se perderam... choram agora porque não tem certeza se estão cumprindo bem todas as suas atribuições. Muitas mulheres sofrem a tristeza de saber que seus esposos não estão servindo ao Senhor, talvez você já experimentou a graça da conversão, mas seu esposo ainda não, não gosta de ir à Igreja, resiste ao Evangelho. Evite censurar e criticar, pois isto só fará com que ele desgoste de você e rejeite o Deus a quem você serve. A verdadeira cristã será uma esposa melhor do que antes, seja uma boa dona de casa, seja diligente com o seu trabalho doméstico, cuide de sua família e continue a ler a Bíblia e rezar, é difícil, mas não é impossível conciliar estes vários deveres.... Amar não é querer alguém construído, mas construir alguém querido. Há um bombardeio na mídia para desmerecer a Bíblia, como se ela fosse um livro de mentiras, há uma pressão nas escolas para ensinar que o universo é obra do acaso, uma questão de evolução. É tempo de conhecer o Deus que você serve. Vivemos num mundo cada vez mais materialista e não pensamos em nossa alma e de nossa família. Nosso corpo pode não ter sede, mas nossa alma tem. Nós mulheres não podemos brincar de ser Eva, não fomos criadas para ser sedutoras... “Deus nos ama”, estamos caminhando para o céu, não para o inferno. Vamos pensar em Maria como mãe e esposa fiel: significa pedir que nos ajude a buscar no dia a dia o equilíbrio que não é fácil, para conseguir aquela harmonia entre físico e espírito que é o mais belo de nossa relação com Deus. Maria como mulher, mãe e esposa nos ensina muito começando pela fidelidade. Ela foi fiel e toda mulher precisa ser fiel àquilo que Deus tem dado pra ela... Maria foi aquela que cuidou de Jesus na sua totalidade de mãe, que doou-se que amou e zelou pelo filho. Isso ensina muito às mães no tempo de hoje pois, a mulher precisa aprender a se colocar no Tempo de Deus. É preciso olhar para as virtudes de Maria, para que possamos ser humildes, ter confiança, pureza, simplicidade e humildade. Maria sempre soube seu papel, e quem era: uma mulher totalmente de Deus, fiel a sua vontade, pois tinha consciência que era humana e fraca. Nunca pare de orar: ore quando tem vontade e quando não tem. Tudo pode ser mudado pela força da oração. Crê e será salvo tu e tua família (At 16,31). Levanta tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará (Ef 5,14). Texto: Maria Aparecida, Rubiataba
Mulher de joelhos, casa de pé! content media
0
0
10k
Diocese de Rubiataba
02 de mar. de 2017
In Família
“Quem se descuida dos seus, e principalmente dos de sua própria família, é um renegado, pior que um infiel.” (1Tm 5,8) Orando pela Cura e Libertação de nosso casamento… Esta Oração deve ser feita num ambiente que seja propício à Oração e de preferência sem interrupções. * * * Em nome do † Pai, do Filho e do Espírito Santo… Amém!Senhor Jesus, neste momento eu quero me colocar diante da Sua presença, e lhe pedir que envie os Teus anjos para estarem comigo e se unirem a minha oração em favor da minha família.Temos passado por momentos difíceis, momentos dolorosos, situações que tem tirado a paz e a tranquilidade de toda a nossa família. Situações que tem gerado em nós angustia, medos, incertezas, desconfianças; e por isso a desunião. Não sabemos mais a quem recorrer, não sabemos a quem pedir ajuda, mas temos a consciência de que precisamos da Vossa intervenção…Por isso, no poder do Teu Nome Jesus, eu rezo para que seja quebrado toda e qualquer situação de interferência dos padrões negativos de casamentos e relacionamentos que os meus antepassados tiveram, até os dias de hoje. Padrões estes de infelicidade na vida matrimonial, padrões de desconfiança entre os cônjuges, hábitos compulsivos de pecados que foram se arrastando de geração em geração; entre todas as famílias, como que uma Maldição…Que seja agora quebrado no poder do Nome e do Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Não importa onde isso se iniciou Jesus, não importa quais foram as causas, eu quero pela autoridade do Teu Nome, clamar que o Teu Sangue seja derramado sobre todas as minhas gerações passadas, para que toda a Cura e Libertação que precisa acontecer, atinja também à eles agora, no poder do Teu Sangue Redentor! Rompe Senhor Jesus com toda e qualquer expressão de desamor que eu possa estar vivendo dentro da minha família, situações de ódio, de rancor, de inveja, de raiva, desejos de vingança, desejo de terminar o meu relacionamento; de seguir sozinho(a) a minha vida; que tudo isso possa neste momento cair por terra Jesus, e que vença a Tua presença em meio a nós! No poder do Teu Sangue Jesus, eu coloco um fim a todo o comportamento de indiferença dentro da minha casa, pois isso tem matado o nosso amor! Renuncio ao orgulho de pedir perdão, orgulho de reconhecer os meus erros; eu renuncio às palavras malditas que eu pronuncie sobre o meu cônjuge, palavras de maldição, palavras de humilhação, palavras que o(a) feriram, machucaram e deixaram marcas negativas em seu coração. Palavras malditas que o(a) diminuíram, verdadeiras maldiçoes proclamadas em minha casa; clamo e rogo o Teu Sangue Redentor sobre tudo isso Jesus, Cura – nos e Liberta – nos das consequências que hoje se reflete em nossas vidas devido a todas estas realidades. Renuncio as palavras malditas que proferi sobre a casa onde moro, pela insatisfação de morar nesta casa, de não me sentir feliz nesta casa, eu renuncio a tudo o que eu possa ter dito dentro da minha casa de palavras negativas. Renuncio as palavras de insatisfação que lancei sobre a nossa realidade financeira, pois apesar de recebermos pouco, apesar do orçamento mensal ser bem justo, nada nos faltou Jesus… Por isso também lhe peço perdão! Perdão pela ingratidão, por não conseguir ver na minha família, uma família perfeita…Perdão Jesus, porque sei que agi errado muitas vezes, e quero a partir de hoje recomeçar. Perdoai também Jesus aos meus familiares por todas as vezes que algum deles possam ter desonrado o Sacramento do Matrimonio, lançai sobre eles o Vosso olhar de Misericórdia, e restabelece a paz aos seus corações…Quero pedir que o Senhor derrame o Espírito Santo sobre nós, sobre cada membro da minha família… Que o Espírito Santo possa com Vossa força e Vossa luz, abençoar todas a minhas gerações passadas, presentes e futuras. Que a partir de hoje possa surgir no meu matrimonio e no matrimonio dos meus familiares, uma linhagem de famílias comprometidas com Jesus e com o Seu Evangelho, que venha a surgir uma linhagem de casamentos profundamente comprometidos com sacralidade do matrimônio, cheios de amor, fidelidade, paciência, bondade e respeito! Obrigado Jesus porque ouves a minha Oração, e se inclina para ouvir o meu clamor, muito obrigado! Consagro a mim e toda a minha família ao coração Imaculado da Virgem Maria, para que ela nos abençoe e nos livres de todo e qualquer ataque do Inimigo! Amém!
Orando pela cura e libertação no casamento content media
0
0
23
Diocese de Rubiataba
02 de mar. de 2017
In Igreja
A Quaresma é um tempo propício para meditarmos sobre o sentido da cruz em nossa vida – tanto o da Cruz de Cristo quanto o da nossa própria, tantas vezes rejeitada como se fosse a mais pesada dentre todas as cruzes do mundo. Se parássemos para de fato “pesar” a nossa cruz, muito provavelmente nos surpreenderíamos ao constatar o quanto ela é leve. Para ilustrar essa reflexão, compartilhamos esta antiga lenda: * * * Reza uma antiga lenda cristã que um jovem, convertido ao Evangelho, recebeu a sua cruz para seguir pela estrada da Jerusalém Celeste, juntamente com outros peregrinos.Torturava-o, porém, o peso da cruz que lhe fora confiada. A carga o fatigava tanto que ele se via forçado a descansar de vez em quando, lamentando:– Má sorte a minha! Deram-me a mais pesada das cruzes! Movido por um sentimento egoísta, ele resolveu, em umas das paradas, trocar sorrateiramente a cruz por outra mais leve.Aproveitando a escuridão da noite, pé ante pé, foi até o local em que ficavam depositadas as cruzes dos seus companheiros, e, sopesando-as uma a uma, escolheu a que lhe parecia mais leve, tomando-a para si. No dia seguinte, reiniciada a viagem, notou que ninguém se dizia prejudicado com a troca.Foi só então que ele se deu conta de que a cruz que tinha escolhido por ser a mais leve era a mesma que já carregava desde antes. ____________Lendas do Céu e da Terra – Malba Tahan
Um cristão quis trocar a sua cruz por outra mais leve. Mas… content media
0
0
2
D
Diocese de Rubiataba

Diocese de Rubiataba

Administrador
Mais ações